quinta-feira, 24 de abril de 2008

SEDENTA

Inventiva, tímida e rosada
deixa-se invadir pelo rubro,
sem ter noção da fase seguinte
quando cede seu legado ao lençol.
Sábia mestra sabe ignorar o ilimitado.
Ao possuir, jamais se afoba
na resolução ingênua, dos testes freqüentes.
Nunca se deixa intimidar
ao se desvendar úmida e distorcida, frente ao espelho.
Sábia dama, generosa, que resolve
o revolver dos dedos em criativos movimentos
de ação infindável, no seu ato solo.
Aproveite! Meu demente submisso sedutor.
VEM VER ME VER.
VEM!

Um comentário:

Cármen Neves disse...

Otávio! Como vai?
Agora que "te descobri", voltarei muitas vezes aqui para ler poemas sedutores como esse! Um abraço,